IMPRESSÕES DA SUPER-QUARTA

Fenômeno não muito raro no mercado financeiro, a super-quarta, dia em que acontecem coincidentemente as reuniões do Banco Central Americano (FED) e do Comitê de Política Monetária do Banco Central Brasileiro (COPOM), do dia 04 de Maio de 2022, trouxe um certo alívio momentâneo para o mercado de renda variável, assim como para as preocupações com os efeitos da inflação mais duradoura no Brasil e nos EUA.

O Presidente do FED Jerome Powell, sinalizou que não pretende subir juros em um ritmo tão acelerado quanto o mercado está precificando, fato que acalmou momentaneamente investidores que davam como certo um aumento de 0,75 p.p. já para a próxima reunião em Junho e enfatizou que, no momento, os membros do FED acreditam que altas de 0,50 p.p por reunião, assim como já aconteceu ontem, possam ajudar a convergir a inflação para a meta sem prejudicar a economia americana, que continua aquecida e em pleno emprego.

O mau humor dos investidores em relação ao aumento mais rápido dos juros é justamente pelo receio de que caso isso aconteça, a economia desacelere. Powell deixou claro que fará o necessário para frear a inflação, porém sem deixar de se atentar ao custo que isso pode trazer ao PIB dos EUA.

Já do lado Brasileiro, apesar de o mercado já ter precificado a alta de ontem que elevou a SELIC para 12,75%, as atenções ficaram voltadas à sinalização dos próximos movimentos do COPOM. Hoje, estima-se que na próxima reunião da autoridade monetária teremos um novo aumento, dessa vez de 0,50 p.p contra o aumento de 1,00 p.p., e é aí que começam as discordâncias.

Muitos economistas defendem que o BC (Banco Central) precisará trabalhar com uma taxa de juros ainda mais alta para conter a inflação, que diferente do que acontece nos Estados Unidos, sofre a pressão da paridade dólar-real e a dependência de matéria prima industrial vindo de fora do país. Com os novos cenários de possíveis lockdowns na China por uma nova onda de COVID-19 e a guerra entre Rússia e Ucrânia, que afeta diretamente a compra de fertilizantes russos por parte de produtores rurais brasileiros, muitos temem uma inflação mais duradoura e difícil de controlar por aqui. Além disso, uma SELIC mais alta por mais tempo desestimula investimentos de empresas, geração de empregos e crédito. Com uma economia que está longe de mostrar força como a americana, o BC iniciou muito antes que o restante do mundo a subida de juros na tentativa de conter a inflação, fato que também divide opiniões.

Os dados econômicos das próximas semanas serão cruciais para que as decisões dessas autoridades sejam tomadas a fim de conter as pressões sobre os preços, que diminui o poder de compra da população e ao mesmo tempo não prejudiquem uma recuperação econômica, que parece já estar em vigor nos EUA, mas que ainda se mostra muito frágil no Brasil.


Texto por Filipe Franco Ferreira

Compartilhe

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.